Deprecated: Methods with the same name as their class will not be constructors in a future version of PHP; JCommentsACL has a deprecated constructor in /home2/roderix/public_html/blog/components/com_jcomments/classes/acl.php on line 17

Deprecated: Methods with the same name as their class will not be constructors in a future version of PHP; JCommentsPagination has a deprecated constructor in /home2/roderix/public_html/blog/components/com_jcomments/helpers/pagination.php on line 18

A máquina estremece, esperneia, dentro da frágil urna de carne e ossos. Ouvem-se os seus batimentos, descompassados do tic-tac do relógio barato a pilhas. Ansiedade, do verbo latino ”augere “, estreitar. É um aperto do Eu, um estreito que a frágil embarcação teme transpor.

Eu sou árvore, de quem as aves são íntimas. Adoro ouvir as aves a tagarelarem nos meus ramos. Adoro ouvir os sons de outros continentes trazidos pelo ventos. Mas adoro, mais do que tudo, aprofundar as minhas raízes solo adentro e tagarelar com outras raízes que vou encontrando na minha peregrinação subterrânea, como no encontro e afago dos pés dos amantes por debaixo dos lençóis. Sou árvore, e no meu ser não existe qualquer vontade de me desprender e de esvoaçar acima do solo. Apenas basta estirar-me ao sol e absorver a luz.

O mundo não é um espaço continuo. A nossa presença é uma fissura entre o mundo que foi e o mundo que está para vir. E é quando essa fissura se estreita, e sentimos o aperto entre o passado e o devir, que se instala a ansiedade. Esmaga-nos a dor de sentir o futuro tão próximo do passado.

É assim com as viagens: o tempo de preparação é infindo, gastamos-nos todos no que está para vir. Depois, na hora, vai tudo de empurrão, à revelia dos planos, como a entrada para a carruagem do metro em hora de ponta.

Lá em cima nos ares que se afastam do oceano, o chão é o piso de um minúsculo planeta interior e somos depositados num lugar confinado. O aperto no espaço dilata o tempo, é uma hérnia discal a comprimir o nervo do tempo.

À chegada é o estreitamento das filas e o esmagamento e a paranóia das fronteiras. É a doença do cérebro humano isto de a tudo impor fronteiras. O tempo das tribos retorna com frequência e traz consigo o cortejo de guerras e religiões, chefes adorados e ódios de estimação. Na há outra coisa a fazer senão viver com isso: é assim o cérebro animal, multinivel, hierarquizado e autocrático. As árvores, que não andam de cabeça no ar, têm um cérebro profundo, enraizado, horizontal, entrelaçado com todos os outros cérebros da floresta em comunhão profundamente democrática.

0B2FC8B3 5DC3 4BD2 9D0E 699DF1C4FFF3

Chegar, na viagem, não é tudo. É a angústia de pensar que toda a viagem tem o retorno. E nesse retorno volta a repetição do mesmo. Após o regresso, o espaço fecha-se, então, à nossa volta suturando o vazio do desenraizamento. E o mundo transforma- se outra vez em floresta. E brota, uns tempos depois, a saudade da viagem quando retornam as aves migradoras e se instalam a tagarelar nos ramos.

 

Comentários   

0 #1 Graça 12-09-2019 14:19
Lindo, Rui. Do melhor que já escreveste.
Citar

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Temos 26 visitantes e 0 membros em linha