Tem sido sempre assim, portanto assim será. De vez em quando, recolho-me a um canto, desenterro o lápis e o papel, e desato a escrever um postal. É caso raro, que depende mais de condições exteriores do que de estados de alma. Desta vez, começou o Verão. Veio de mansinho, com patas de veludo. Chove, mas não incomoda: Até é musical o som das gotas a caírem. Está escuro, mas a mata filtra a luz electrizante. Está frio, uma frescura agridoce.

Dizer que puxo do lápis e do papel é uma metáfora que não é bem metáfora. Uso agora uma Apple pencil e comprei uma app que funciona como papel electrónico. Pensei que ia levar muito tempo a aprender a conhecer a minha letra mas enganei-me redondamente. Fiquei boquiaberto. Agora faço salganhadas e dou erros de propósito para ver aparecer no ecrã do iPad o que estou realmente a decidir escrever.

Desde o último postal até agora aconteceu muita coisa. Na minha vida, no meu derredor e no Mundo. Não me vou queixar da vida por respeito para com as vítimas das calamidades que por aí grassam. O ambiente enlouqueceu - e com razão! - e a humanidade está a ser governada por sociopatas.

Leave your comments

Post comment as a guest

0
Your comments are subjected to administrator's moderation.
terms and condition.

People in this conversation

  • José Alves Farinha

    É bom saber que algumas coisas, e pessoas, não mudam. Grande abraço.

  • Teresa Durães

    Comprei, não um Mac, um Lenovo ainda estou a habituar-me ao teclado, maior nus sítios, mais pequenos noutros, enfim, se tivesse 15 anos não me queixava.

    Espero mudar o meu Voando, vai sair da cidade para o campo, vai dentro da pasta do computador sem saber para onde vai, acordar debaixo de oliveiras que nunca viu nem sabe o que fazer com elas.

    Vai de mansinho como quase tudo na vida, após uma espera aborrecida como tantas, ansioso por outras paragens. Vai voando por aí.

    Finalmente consegui a reforma, eu uma moça de 49 anos, incapacidade, na realidade não era difícil de perceber, viva a sociedade que não quer nada com malucos e assim com a minha dose posso viver a reclamar a loucura dos outros.

    Desde aquele dia em que escrevi aqui qualquer coisa (não recordo, eis a loucura), sempre senti que podia ser livre a responder (poucos gostam).

    Comecei, talvez devido a ti, a tentar conhecer melhor a fauna portuguesa, na teoria, péssima na prática, o meu pai tentou. Sou de computadores, escolha aos 14 anos, curso e vida profissional até ao fim. E gosto destes bichos.

    Neste momento tenho três gatos, imagina, eu uma mulher de cães. Hei-de ir buscar duas cadelas assim que mudar de casa.
    Gostas de livros de fantasia?



    "O encantamento do vento"

    Bom, tenho outros, não vim aqui para fazer publicidade, se quiseres procura ou na amazon ou na kobo por teresa durães

Temos 86 visitantes e 0 membros em linha